segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Prostituição no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Ir para: navegação, pesquisa
A prostituição no Brasil é permitida por lei, não há restrições a prostituição de adultos. O país está se tornando lugar de turismo sexual, o que frustra cada vez mais o governo brasileiro. particulamente prostituição infantil. Hoje, com o aumento da prostituição de crianças e adolescentes, há diversas campanhas governamentais contra a prostituição infantil.
garota prostituta de apenas 9 anos

O relatório de 2010 do Departamento de Estado dos Estados Unidos cita o Brasil como "fonte de homens, mulheres, meninos e meninas para prostituição forçada no país e no exterior". O levantamento inclui o trabalho forçado relacionado ao tráfico de mulheres feito por organizações criminosas de Goiás de onde partem meninas e mulheres para países como Espanha, Itália, Reino Unido, Portugal, Suíça, França, Estados Unidos e Japão. Também há indícios de formação de redes de prostituição forçada em países vizinhos como Suriname, Guiana Francesa, Venezuela e Paraguai.
Na Espanha e Rússia organizações criminosas estão montadas para o tráfico sexual forçado de brasileiras e também de brasileiros.

 Prostituição e exploração sexual de menoresUm balanço da Polícia Rodoviária Federal divulgado em 2010 aponta a existência de 1.820 pontos de risco de exploração sexual de crianças e adolescentes no país, sendo 67,5% deles localizados em áreas urbanas. Os locais não necessariamente indicam a prostituição, mas o de elementos catalisadores como bebida alcoólica, presença de iluminação e escassa atuação de conselhos tutelares.
Propagandas comuns de prostitutas no BrasilA maior concentração está no Nordeste, com 545, seguida pela região Sul com 399 pontos de risco. Em seguida vêm as regiões Sudeste, com 371, o Centro-Oeste, com 281 pontos. A região Norte, com 224 pontos, é a última do ranking.

 Prostituição na InternetHoje são cada vez mais comuns os sites que divulgam o trabalho de garotas de programa. Muitas optam por construir blogs próprios a fim de evitarem os pagamentos mensais, quinzenais ou até semanais para a divulgação de suas fotos em site especializados. Outras preferem o retorno mais garantido que o anúncio em sites específicos promete dar.

Ferramentas de busca e comentário dos trabalhos das acompanhantes têm ganho notoriedade nos últimos anos,[carece de fontes?] recebendo, por parte de seus usuários, um status de órgãos reguladores da atividade no país. Na prática, em sites desse tipo, os clientes podem averiguar se as acompanhantes pretendidas são bem avaliadas por seus usuários habituais, tendo um parâmetro de como funcionam seus serviços e até dos preços que se pode esperar pagar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário